Trincas e outros danos no parabrisa

Em se tratando de trincas, arranhões, olho de boi, e tantas outras avarias que consomem a paciência e muitas vezes o dinheiro dos motoristas, é importante fazer algumas observações para a melhor procedência quando se encontrar diante de um problema como este.

Algumas pessoas acreditam que o único e exclusivo fator que leva parabrisas de carros a trincar, e em algumas vezes até quebrar é somente por impacto externo ou vandalismo, mas isso é uma grande ilusão, pois diversos são os fatores que podem causar problemas nos vidros de automóveis. Para se ter uma idéia, mudanças climáticas causando assim variações térmicas, o modo de dirigir, chuva, e até mesmo o ar condicionado podem trazer sérios danos ao parabrisa do veículo.

Um evento muito comum nesses casos é aquela pedrinha pequenina lançada na maioria das vezes por outro automóvel a frente que faz um pequeno buraco no vidro, o que consecutivamente irá resultar numa trinca que aumentará com o tempo podendo até mesmo levar o parabrisa a ser substituído. É recomendável que nesses casos a pessoa coloque um adesivo (existem adesivos próprios comercializados no mercado) no local do fragmento, até levar para um reparo do dano.

Conserto em Para Brisa

Conserto em Para Brisa

Esta é uma outra questão polêmica. Muitas pessoas não sabem que para alguns casos, existe reparo em parabrisas, mas é importante grifar o seguinte: “somente em alguns casos”. Os vidros de carros são temperados, e por isso difíceis de serem manuseados por qualquer pessoa que não conheça bem do assunto. No caso de trincas, existe uma tecnologia de reparação que consiste na injeção de resina no interior da trinca, e secagem através de luz ultravioleta. Este procedimento pode ser adotado quando o estrago não for muito grande, e depende muito também do lugar onde se encontra no vidro. É uma alternativa econômica para evitar a substituição do vidro, mas, muitas vezes não é recomendável essa prática, pois, se feito por pessoas que não conhecem bem do assunto, pode acabar por trazer mais problema, uma vez que o parabrisa fica mais frágil.

Para o caso de arranhões, assim vale a mesma regra das trincas, ou seja, a reparação dependerá da abrangência do dano, mas com a diferença que agora o que mais importará é o lugar do arranhão no vidro. O polimento existe e pode ser utilizado se o caso permitir, mas deve-se também ter cautela, pois, nesse caso, fica vulnerável a surgimento de grau no vidro, o que prejudicará e muito a dirigibilidade do motorista.

1 comentários para “Trincas e outros danos no parabrisa”

  1. Anderson disse em 23/10/2010 às 08:56:

    Bom dia!!!

    Tenho um fiesta 2007, e o para brisa trinco do nada, acredito que foi por causa da temperatura…

    li na matéria acima e gostaria de saber como é o processo de desse reparos, é necessário retirar o vidro???????

    aguardo um retorno

    Grato

    Anderson

  2. Davi Francisco da Silva disse em 07/02/2013 às 01:45:

    quero repararr o para brisa do meu carra q trinco como eu faço?

Deixe sua opinião